Visitantes recientes

domingo, 21 de outubro de 2012

Luto!

Boa Noite Meninas!  Quero pedir desculpas pelo abandono do blog! Nos últimos seis meses muitas coisas aconteceram na minha vida e o crochê ( que eu tanto amo) acabou ficando de lado.
Em abril estive envolvida com muito trabalho no  escritório. Trabalhando sempre ate mais tarde, numa correria louca! Em maio descobri que estava gravida! Uma gravidez não planejada , mas muito amada desde o primeiro momento.
Meu foco mudou . Ao invés de ficar horas na internet buscando novidades de crochê, eu passava horas na frente do computador pesquisando tudo sobre gestação e bebês. Por isso acabei deixando de lado este cantinho.
Em julho descobri que meu mundo era rosa. Na verdade só confirmei , por que eu sempre soube que quando engravidasse seria uma menina. Minha Manuella.
Em Agosto, descobrimos em um exame de rotina, que a Manu tinha um cisto no pescoço. Uma bola no pescoço que não deveria esta ali. Naquele dia, meu maior sonho, começou a ruir. Em setembro, em uma ressonância magnética, o diagnostico foi de Teratoma cervical. Uma especie de tumor muito raro. Quando peguei o resultado deste exame chorei por dias . Neste exame dizia que o tumor havia crescido e muito e em pouco tempo. E que esta lesão estava destruindo a mandíbula .
Começava a batalha para conseguir um bom hospital . Um hospital que estivesse preparado para atender as necessidades da minha pequena assim que nascesse. Pois durante a gestação nada poderia ser feito. Somente depois que ela nascesse poderíamos saber a extensão real do problema e decidir o que seria feito. Dia 18/09 iniciei o pré-natal de alto risco no Hospital Presidente Vargas em Porto Alegre. Naquela primeira consulta pude respirar aliviada. Senti confiança na equipe que me atendeu. Naquele dia senti que tudo daria certo. Que seria difícil , mas que daria certo. Dia 26/ 09, fizemos uma eco do coração da Manu. Tudo perfeito. Mais uma alivio. No Dia 27/09, nova eco morfológica. A Lesão havia aumentado de novo e o liquido aminiotico também aumentou muito em uma semana. Estava com Polidramnio.
Outubro iniciou trevoso para mim. No dia primeiro acordei com uma cólica chata...que não me deixou continuar dormindo. Alias...eu já não conseguia dormir direito...Minha barriga estava muito grande , não achava uma posição confortável, e cada vez que ia me virar sentia muitas dores. Trabalhei a tarde, e a noite a cólica aumentou, tive  diarreia e vomito... Passei muito mal...Fui para o PS, fiquei em observação e me liberaram 3 horas depois. No outro dia tinha consulta do Pré-Natal em Porto Alegre. Novo Aumento de liquido. Punção para retirada marcada para a Quinta. Na quarta, um dia antes, a Doutora ligou e perguntou se poderiamos esperar ate terça. Pois já aproveitaria e mandaria o liquido para analise. Disse que se eu me sentisse mal antes disso poderia procurar o C.O do hospital. No Sábado dia 06, procurei o P.S do hospital de Sapucaia. A médica de plantão me tratou muito mal. Quando cheguei em casa comecei a perder sangue. Fui para Porto Alegre...me internaram na madrugada de domingo...recebi alta na segunda de tarde. Aquela cólica ainda me acompanhava.
Na terça fui para a retirada do liquido. Mas cheguei lá com muita dor. Aquelas cólicas aumentaram. Me internaram para tentar acalmar as contrações. Mas elas não pararam. Eu estava com 27 semanas e entrando em trabalho de parto.
As 19:26 do dia 09.10, minha filha nasceu...Fraquinha e com hemorragia na lesão...As 21:15 minha Manu se foi...Meu maior sonho se foi...Um pedaço do meu coração se foi.
É a pior dor do mundo! A Saudade dela mexendo na minha barriga é muito grande! Quando descobri que estava gravida e tinha a certeza de que nunca mais estaria sozinha. Agora ela se foi e eu voltei a ficar só.

Minha princesa, onde quer que tu esteja, tenha a certeza de que te amo muito. Já te amava quando eu sonhava contigo, te amei mais quando soube que você se tornou realidade , e agora esse amor se juntou com a saudade e se tornou infinito. Viverei esperando o dia que irei te reencontrar e te dar todos os beijos e abraços que não pude dar!

Ariane.